Pintura mediúnica: um testemunho




(obras atribuidas à Tarsila -repare em outras que estão atrás, Vincent, Renoir e  novamente Renoir)


Pela primeira vez, assisti a uma sessão de pintura mediúnica. É impressionante a qualidade e rapidez com que as obras brotam na tela. Parece que vão surgindo de um conjunto de manchas e de movimentos com as mãos. E, ao terminar, materializada está a  obra original, que pode vir em estilos diversos. Daiane e Daniele, do centro espírita Seara da Luz, de Goiás, são duas jovens que pintam desde os 15 anos, assim como sua mãe, Eunice. Viajam pelo Brasil realizando esse trabalho para sustentar uma casa na qual acolhem as pessoas com diversos problemas físicos, mentais, além de idosos, homens e mulheres abandonados de diversas procedências.

No meu caso, assisti à psicopictografia no centro espírita Seara do Mestre, que fica no extremo da zona sul de São Paulo. Estavam presentes Daniela,  seu pai e sua mãe, sendo que Daniela estava responsável pelo trabalho mediúnico e Eunice com seu esposo na assessoria (na família, só as mulheres pintam). Após a oração inicial, mesmo ao entrarmos no salão, já sentimos uma energia vibrante, algo diferente. A médium pinta duas telas de presente para a casa anfitriã. A seguir, as pessoas que desejam adquirem uma tela em branco. Esta tela apresenta, na parte de trás, uma mensagem previamente psicografada pela médium. Assim, no momento de escolher a tela, mentaliza-se a pessoa a quem se quer presentear, uma solução para situações pessoais ou simplesmente deixa-se levar para qualquer uma delas. Sempre será uma mensagem bonita que tem relação com o que foi pensado. Então, esta tela em branco é entregue à médium, que em uma média de três minutos conclui o trabalho, assinado por artistas que estão na espiritualidade, conhecidos ou não.

Uma observação interessante é que Daniela coloca duas ou mais cores de tinta nas mãos, e essas cores nunca se misturam, saem no quadro separadas para formar a figura. Pode-se observar de perto, em ambiente claro, sem necessidade de que os presentes permaneçam somente em oração ou concentração.

As médiuns, neste caso Daniela, não pintam com os pés ou com as duas mãos. Mas a qualidade das obras é chocante. Um artista cético que assista a uma sessão de pintura mediúnica pode entrar em crise profissional ou existencial, pois com certeza não conseguirá explicar ou realizar este fenômeno. Afinal, quantos anos precisaria  o artista  ter estudado para  tentar realizar obra de tal envergadura? Pensei nisto ao final de tudo  e achei graça. Quem duvidar que faça!
Obs: meu quadro é o dos girassóis. Estas são fotos tiradas com celular, sem muita qualidade. Foram mais de 20 obras nessa tarde.


Outros médiuns, veja vídeos


1 comentário